Fale conosco pelo WhatsApp

Bursite

Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

A bursite é uma inflamação que afeta a bolsa sinovial de articulações, sendo mais frequente nos ombros, quadril e cotovelos

A chamada bursite é uma inflamação da Bursa, uma pequena bolsa cheia de líquido (sinóvia) que se localiza entre um tendão e a pele, ou entre um tendão e o osso. Também chamada de bolsa sinovial, essa estrutura pode ser encontrada em algumas articulações e tem a função de amortecer o atrito entre duas superfícies em movimento, auxiliando no deslizamento dos tecidos e em sua nutrição.

A bursite pode ser aguda ou crônica, podendo surgir a partir de um trauma específico e de forte intensidade, ou se desenvolver por microtraumas repetitivos. Além disso, a condição pode estar associada a condições reumáticas, metabólicas, infecciosas e até mesmo por causas não identificadas — neste caso sendo considerada do tipo idiopática.

O que é bursite e quais suas causas?

A Bursa é uma estrutura que se assemelha a uma almofadinha achatada, sendo composta por uma membrana recheada por líquido sinovial — um lubrificante de aspecto viscoso que ajuda a minimizar o atrito entre tendões, ossos e músculos. Todas as articulações/juntas do corpo contam com uma bolsa sinovial, que favorece a execução dos movimentos por meio do alívio da pressão sobre as estruturas envolvidas.

A bursite é uma inflamação que acomete principalmente as Bursas que estão localizadas perto de articulações que realizam movimentos repetidos. Embora sua ocorrência seja mais comum em ombros, cotovelos e quadril, a alteração também pode acometer joelhos, calcanhares e dedos, bem como em qualquer outra articulação.

Trata-se de uma doença comum e de alta prevalência, mas que pode ser bastante incômoda e requer acompanhamento para garantir qualidade de vida e bem-estar ao paciente. Qualquer pessoa pode desenvolver a bursite, mas existem alguns fatores de risco que podem favorecer a inflamação. São eles:

  • Idade avançada;
  • Ocupações ou hobbies que exigem a realização repetida de movimentos articulares específicos (como tocar um instrumento musical, pintura ou práticas esportivas);
  • Traumas ortopédicos;
  • Processos reumatológicos;
  • Condições médicas como diabetes, artrite reumatoide e gota.

Principais sintomas de bursite

Uma pessoa com bursite pode notar sintomas como:

  • Dor nas articulações;
  • Sensibilidade localizada ao redor da articulação;
  • Rigidez e dificuldade para movimentar a articulação afetada;
  • Inchaço, vermelhidão ou calor na região;
  • Febre, no caso de a alteração estar associada a uma infecção.

Muitos dos sintomas de bursite podem ser confundidos com os de tendinite ou outros tipos de problemas ortopédicos, ou reumatológicos. Por isso, a automedicação nunca é recomendada, sendo indicado iniciar um tratamento apenas com acompanhamento especializado de um médico que diagnosticou a condição e avaliou criteriosamente as características, sintomas e necessidades do paciente.

Quais são as articulações mais afetadas pela bursite?

As áreas que mais sofrem com inflamação das bolsas sinoviais são os ombros, cotovelos, quadril e joelhos. Como foi explicado, qualquer outra articulação pode ser afetada pelo problema, dependendo do estilo de vida do indivíduo e seu estado geral de saúde. Atletas, pintores, obesos e trabalhadores que carregam peso estão entre alguns dos principais pacientes acometidos pelo problema.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da bursite é feito com base em um exame físico completo do paciente, no qual o especialista em ortopedia identifica as articulações lesionadas e analisa o histórico clínico do paciente. O profissional pode solicitar, ainda, a realização de exames de imagem para confirmar a presença da alteração e eliminar outras possíveis causas para os sintomas relatados e desconfortos identificados.

Ultrassom e ressonância magnética são os principais exames que auxiliam no diagnóstico da bursite. Exames complementares, como os de sangue, podem ser solicitados para identificar doenças base como o diabetes, que podem ter favorecido a inflamação das bolsas sinoviais. Neste último caso, a avaliação não é necessária para o diagnóstico, mas ajuda na identificação da melhor metodologia terapêutica para o indivíduo.

Tratamento e possíveis complicações

O tratamento da bursite deve sempre ser realizado conforme orientação médica especializada, e pode incluir repouso, aplicação de gelo no local afetado e uso de medicamentos específicos para aliviar o desconforto apresentado. Dependendo do paciente e da gravidade da inflamação, essas medidas conservadoras já são suficientes para controlar a alteração e trazer qualidade de vida ao indivíduo.

Analgésicos simples e anti-inflamatórios são os fármacos mais utilizados para combater a inflamação e aliviar as dores, embora outros medicamentos possam ser indicados em casos mais acentuados. Quando a bursite é causada por infecção, o uso de antibióticos se torna necessário.

O principal objetivo do tratamento é reduzir ou eliminar a dor sentida pelo paciente. Nesse sentido, o repouso articular e afastamento das atividades que podem agravar a lesão são considerados os principais recursos terapêuticos deste tipo de inflamação. Nos casos em que essas medidas não são suficientes para aliviar os desconfortos apresentados, o ortopedista pode indicar metodologias como:

  • Fisioterapia;
  • Exercícios para fortalecer a musculatura da área afetada;
  • Uso de injeções e infiltrações intra-articulares;
  • Punção para esvaziamento do conteúdo líquido inflamatório ou traumático;
  • Cirurgia, sendo indicada para casos muito específicos.

Quando não tratada ou tratada incorretamente, a bursite pode evoluir para um problema crônico, causando danos aos tendões e muitas vezes se tornando incapacitante.

É possível prevenir a bursite?

Nem sempre é possível prevenir a bursite, mas algumas medidas ajudam a minimizar o risco de que ela se desenvolva ou se torne mais grave. As principais recomendações são referentes a mudar a forma como algumas atividades são realizadas, e incluem:

  • Caso seu trabalho ou hobby exija a realização de tarefas com os joelhos apoiados no chão, use almofadas ou algum outro tipo de preenchimento para reduzir a pressão sobre essa articulação;
  • Evite carregar peso excessivo acima da cabeça, reduzindo assim a pressão sobre as bolsas sinoviais dos ombros;
  • Ao realizar tarefas repetitivas, faça pausas frequentes;
  • Se possível, não permaneça sentado na mesma posição por muito tempo, especialmente em superfícies duras;
  • Mantenha um peso corporal saudável, evitando estresse sobre as articulações;
  • Pratique exercícios físicos regularmente, fortalecendo os músculos e protegendo as articulações do corpo;
  • Ao realizar atividades físicas extenuantes, alongue-se e se aqueça adequadamente.

Para saber mais sobre bursite, receber um diagnóstico adequado e entender melhor como esta condição pode ser controlada, entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Rafael Azzem.


Fontes:

Sociedade Brasileira de Reumatologia;

Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.